CFM e OMS se manifestam contra a Vacinação Obrigatória

Na última semana, após ser questionado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) se manifestou favorável à vacinação, mas contra a obrigatoriedade. A manifestação da entidade aconteceu após o deputado estadual Márcio Gualberto (PSL-RJ) e a deputada federal Chris Tonietto (PSL-RJ) oficiarem a autarquia.

A informação foi publicada nas redes sociais dos parlamentares na tarde da sexta-feira (24). No ofício, foi pedido ao CFM que emitisse a sua posição oficial com relação ao assunto.

Em Agosto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) também se mostrou contrária à obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19 em qualquer país, embora defenda a importância da imunização, afirmou porta-voz da agência em resposta ao facto de vários países estarem a considerar impor essa norma.

Em Abril, a OMS já tinha se manifestado a respeito, afirmando que não apoia a exigência de passaportes de vacinação para entrada ou saída de países, devido à incerteza sobre se a vacinação contra Covid-19 evita a transmissão do vírus, e também por preocupações relacionadas à desigualdade no acesso aos imunizantes, disse uma porta-voz da entidade nesta terça-feira (6). O porta-voz também afirmou:

“Nós, como a OMS, dizemos que, neste estágio, não gostaríamos de ver o passaporte de vacinação como um requisito para a entrada ou saída porque não temos certeza de que a vacina previne a transmissão”, disse Margaret Harris.

“Existem todas essas outras questões, além da questão da discriminação contra as pessoas que não podem receber a vacina por uma razão ou outra”, disse ela em uma entrevista coletiva da ONU.

O SLSLivre resumiu Audiência Pública de Médicos na Câmara dos Deputados apontando os critérios éticos e científicos contra o Passaporte da Vacina, o artigo pode ser consultado aqui.

Um comentário em “CFM e OMS se manifestam contra a Vacinação Obrigatória

Deixe uma resposta para Daniel Borges Pereira Cancelar resposta